blog

  • José Edmar Gomes

VANESSA PORTO

Sempre falando de amor


A cantora Vanessa Porto tem gratas recordações da Fazenda Bonsucesso, em Dourados-MS, onde seu pai levava a família para passar férias e pescar. Certamente, daí é que vem o seu gosto pelo sertanejo raiz, do qual ela selecionou boa parte do repertório do show gravado, na noite de 23 de março, para o ARTE NA PRAÇA DIGITAL, que vai ao ar pelo canal da Artise no YouTube, (https://www.youtube.com/channel/UCouZshbHSmeEEoGc2rtyWag), no sábado 3 de abril.


Vanessa já se apresentou por duas vezes no projeto e, nesta edição digital, ela nos brinda, também com muito romantismo e menos raiz.


Apesar de interpretar clássicos como Romaria, folk de Renato Teixeira de 1977; e Tocando em frente (Almir Satler/Renato Teixeira), prêmio Sharp MPB 1991; Vanessa ataca de Pássaro de fogo (Paula Fernandes); Meu Disfarce (Carlos Cola), sucesso de Chitão e Xororó, de 1987;Vida vazia (Otávio Lacerda, Rolando Candiano), sucesso de Bruno & Marrone de 2001, e até de Facas (como se duas facas se riscassem procurando o corte, são dois corações disputando quem é o mais forte), gravada por Diego & Victor Hugo, em outubro de 2020, com participação de Bruno & Marrone, que é uma das mais pedidas do ranking sertanejo, atualmente.


Vanessa canta desde os dez anos, fazendo participações em gravações gospels de músicos da igreja católica; frequentou a Escola de Música de Brasília, onde aprimorou-se no violão e fez suas primeiras audições musicais.


Ela participou de programas de TV, em Belo Horizonte, e formou a dupla Vanessa Porto & Rafael, que cantava MPB, sertanejo universitário, romântico e de raiz. Em 2011, porém, a brasiliense decidiu-se pelo sertanejo e iniciou sua carreira solo.


De sua vida profissional, constam apresentações no 52º aniversário de Brasília; no Programa de TV, Meu Reino Encantado, ao lado de Bruno César; apresentou-se por três vezes no programa Ricardo Noronha Show, da TV Brasília,;assim como em outros palcos e eventos no DF e no Brasil. Em 2015, gravou seu primeiro CD 10 Anos de Estrada.


A cantora também faz sua parte como compositora e expressa seu lado raiz em Minha história, quando canta: História cheia de amor e atenção/ Sonhos que se tornam realidade/Como o primeiro canto do sabiá/A voar sob o sol nascente/Que dá vida e força/. Talvez, relembrando as temporadas na Fazenda Bonsucesso.


“Até, agora, sou compositora de apenas 13 músicas, que relatam minha história, tristezas e dores de cotovelo, sempre falando de amor”, define.


Antes da pandemia, Vanessa cantava por todo o DF. Em Sobradinho, era presença constante na Casa do Quibe (Garden), Mandala, Matula (Barril), Santa Aldeia... até que vieram as crises e a atual pandemia.


Ela conta que conseguiu fazer algumas lives, mas o mercado acabou se fechando de vez, com o recrudescimento da virose. Vanessa então não se fez de rogada. Botou o carro na rua e foi dirigir para a Uber, com a vantagem de você poder ouvir sua bela voz, ao vivo, sempre que contratar seus serviços.

DESTAQUES